vacina tetra viral

A vacina tetra viral (SCR-V), também conhecida como tetravalente, protege o organismo contra 4 doenças virais altamente contagiosas: sarampo, rubéola, caxumba e varicela (catapora).

SARAMPO:

O sarampo é uma doença contagiosa e de alta transmissibilidade, causada pelo vírus Measles morbillivirus.

A doença pode acometer crianças e adultos, com riscos de complicações graves e até óbito, tendo sido uma das maiores causas de mortalidade infantil.

O vírus é transmitido por meio do contato direto ou pelas vias aéreas, geralmente através de fala, tosse, respiração ou espirros.

Na maioria dos casos, os sintomas se manifestam cerca de 10 dias após a infecção, dentre os quais podemos citar: coriza, tosse, febre ascendente, conjuntivite, manchas brancas na parte interna da boca e manchas vermelhas na pele.

Essas lesões na pele, características do sarampo, se espalham por todo o corpo, começando pela parte de trás das orelhas e pescoço e alcançando os membros superiores e inferiores e o abdome. Além disso, em casos menos comuns, os sintomas também podem incluir: convulsões, infecções de ouvido, pneumonia e diarreia.

Programas de vacinação bem sucedidos garantiram que o sarampo se tornasse raro em muitos lugares. Quando a vacina contra sarampo se tornou amplamente usada nos anos 1980, o número de casos caiu significativamente, levando alguns países, incluindo o Brasil, a declarar que ele tinha sido erradicado.

Em 2016 o Brasil conseguiu o reconhecimento da Organização Pan-Americana de Saúde, mas no início de 2018 voltou a registrar casos, o que ocasionou na perda do certificado de país livre do vírus. O Ministério da Saúde culpa a baixa vacinação contra a doença pela volta dos surtos.

RUBÉOLA:

A rubéola é uma infecção viral altamente contagiosa causada pelo vírus Rubella virus, que é transmitido por meio do contato direto com a saliva ou o muco de um indivíduo infectado ou pelo ar, através de gotículas produzidas ao tossir, espirrar ou falar.  Entre os sintomas mais comuns dessa doença, podemos citar: febre baixa, dor de cabeça, nariz entupido, dificuldade para engolir, dor muscular e nas articulações, mal-estar, olhos avermelhados e inflamados, nódulos e gânglios linfáticos inchados na região da nuca, pescoço e atrás das orelhas e manchas vermelhas na pele, que surgem inicialmente no rosto e depois se espalham pelo corpo em direção aos pés. Apesar da rubéola, na maioria dos casos, não apresentar graves complicações, sua contaminação durante a gravidez pode ser grave, podendo causar malformações no bebê. Por isso, é necessário que as mulheres que nunca tiveram contato com a doença ou nunca se imunizaram, tomem a vacina pelo menos 1 mês antes de engravidar.

CAXUMBA:

A caxumba, também conhecida como papeira ou parotidite, é uma infecção viral altamente contagiosa, muito comum na infância, que é transmitida pela via respiratória e ataca a glândula parótida. A doença é causada pelo vírus Paramyxovirus e seu contágio ocorre por meio do contato direto com gotículas de saliva ou perdigotos de indivíduos infectados. O vírus da caxumba se aloja na parótida, deixando a mesma inchada e dolorosa, configurando um quadro de parotidite. Além do edema da glândula parótida, a infecção também pode causar outros sintomas, tais como febre, fadiga, dor muscular, fraqueza, mal-estar e boca seca. Apesar de raras, as complicações da caxumba costumam ser graves e o fato de poderem ocorrer mesmo em pacientes que não desenvolveram parotidite geralmente causa atraso no diagnóstico correto da doença. Dentre as mais relevantes, podemos citar: orquite, oofirite, meningite, surdez e aborto.

VARICELA:

A varicela, comumente conhecida como catapora, é uma infecção causada pelo vírus varicela-zoster. Apesar de altamente contagiosa, geralmente não é grave e acomete principalmente crianças menores de 10 anos, tanto que mais de 90% dos adultos são imunes por já terem contraído o vírus em algum momento da vida. A catapora provoca erupções cutâneas características na pele, formando pequenas bolhas pruriginosas que ganham crosta. Esse quadro geralmente tem início no peito, nas costas e na face, se espalhando, então, para o resto do corpo. Além disso, a doença pode apresentar outros sintomas, como mal-estar, dor de garganta, febre baixa e perda de apetite. Apesar de raro em crianças saudáveis, a varicela pode causar complicações sérias, tais como pneumonia, hepatite, encefalite, miocardite e Síndrome de Reye.

QUANDO TOMAR?

A primeira dose da vacina Tetra Viral é indicada aos 12 meses com reforço entre 15 e 24 meses, tendo um intervalo mínimo de 3 meses entre as doses. No caso de crianças na faixa de 2 até 12 anos, a vacina é indicada com intervalo de 3 meses. A tetra viral, por sua composição e pelo fato de ser uma vacina atenuada, apresenta, porém, algumas contraindicações, tais como para indivíduos imunodeprimidos, gestantes e portadores de alergia grave a um dos componentes do imunizante, como a ovo de galinha, por exemplo.

MANTENHA A SAÚDE EM DIA!

Sabia que é possível tomar a vacina Tetra Viral em casa? Basta baixar o aplicativo do Vacine.me, já está disponível na Google Play e App Store, colocar o endereço onde quer ser atendido, escolher a vacina que deseja, comparar preços, agendar na clínica de sua preferência e pronto! No dia e hora marcada, um especialista irá até você aplicar a vacina no conforto e segurança do seu lar! ; )

Related Post

Deixe seu comentário

Posts recentes

Vacinação em domicílio
Vacinação em casa
vacina tetra viral
vacina hexavalente
Open chat